A Pedagogia dos sonhos – Dezembro/2007

Sonho é uma sequência de fenômenos
psíquicos constituídos de imagens,
representações, atos, ideias, etc., que,
involuntariamente, ocorrem durante o sono.

Outro sentido da palavra se refere
a um desejo veemente ou aspiração,
que pode ser traduzido por visão de futuro.

Neste aspecto, como ensinam
os palestrantes e pregadores, sonhar é pensar positivamente, é projetar o futuro,
é alçar voo na direção de objetivos
preestabelecidos.

Gênesis 37

José é símbolo de sonho. Ainda em casa de seus pais, já apresentava os traços de uma personalidade firme, tolerante e amorosa. Entretanto, algo o destacava: era tido por seus irmãos como “o sonhador”, por causa de suas visões de futuro que lhe eram reveladas: “Lá vem o sonhador”, v. 19. Isso despertava em alguns deles grande rejeição e até ódio, v. 5. Mal sabiam, porém, que o que sonhava recebera de Deus. E o Senhor iria concretizar esses sonhos na sua história, tornando sua vida sublime em todos os aspectos, a ponto de ser um meio para preservação da própria família.

A admiração de seu pai, v. 3, sua projeção no Egito como pessoa temente a Deus e como homem público de grande sucesso devem-se a diversos fatores relacionados aos sonhos recebidos de Deus, Gn 41: 40. Somos admiradores de José. Ninguém imagina o seu triunfo como resultado de um caminho ardiloso ou de manobras político-religiosas.

No entanto, para que chegasse ao pódio de uma vida abençoada e aprovada por Deus, foi necessário trilhar um caminho espinhoso, árduo e muito longo, cap. 45. Seu triunfo não aconteceu por mágica e tampouco pelo virar da varinha de condão. Tudo ocorreu segundo a vontade de Deus. José é fruto de uma vida dirigida por Deus. Assim, destacaremos três pontos importantes quanto aos seus sonhos, objetivando uma reflexão contextualizada.

Propósito definido

Viver os sonhos divinos para quê? Com quais propósitos? É interessante estudar a Bíblia com vista aos propósitos de Deus. E isto está bem claro na vida de José. Sua ascensão ao cargo de Primeiro Ministro no Egito não aconteceu apenas para que seu ego fosse massageado. O propósito final de Deus era abençoar uma família, uma nação e, consequentemente, toda a humanidade, 45: 7.

Deus tem um propósito em tudo. Até mesmo as provações que um cristão enfrenta estão vinculadas ao beneplácito de Deus: “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados pelo seu decreto”, Rm 12: 2. A Bíblia diz que Deus criou o homem para louvor de sua glória. Portanto, tudo que aconteceu na vida de José era do consentimento de Deus.

Por isso, se os nossos sonhos, isto é, nossos desejos, ambições, alvos, etc. não têm como propósito glorificar a Deus, acrescer o reino dos céus, contribuir com o fraco ou necessitado, eles não passarão de pesadelos ou desejos efêmeros. Deus quer nos conceder grandes dádivas e nos fazer prósperos em todos os sentidos, mas desde que tenhamos um fim positivo proposto: “muitos são os planos do coração do homem, mas é o propósito do senhor que permanecerá”, Pv 19: 21.

Preço a ser pago

Será que, se José soubesse que passaria por tudo quanto passou, ainda assim desejaria ser fruto dos planos de Deus? Penso que sim, pois ele nos deixa evidências a este respeito ao rejeitar, veementemente, propostas, aparentemente, favoráveis e boas, Gn 39: 9. Entretanto, o sofrimento, a calúnia, a inveja, o ciúme, o desprezo, a prisão não puderam ser impedimentos para que os propósitos de Deus fossem cumpridos.

Os capítulos 37 a 48 deixam evidente que sua trajetória foi desafiadora e dolorida. O sucesso de sua vida como cidadão e pessoa comprometida com Deus custaram-lhe muitas lágrimas, inveja, solidão, assédio, perseguição, prisão, humilhação, renúncia, perseverança e muitos outros males. O preço pago pelos sonhos proféticos foi tão alto que os estudiosos o têm como personagem-tipo de Jesus.

Muitos pregadores usam passagens, como a de José (Gn 37), para motivar seus ouvintes a sonhar. Há até mesmo aqueles que afirmam: quem não sonha não vence na vida. Sonhe alto! Não seja mesquinho! E por aí se vão as mais ufanistas ex-pressões quanto aos sonhos. Mas, o que, na verdade, os pregadores deveriam ensinar é que há um preço para quem quer sonhar. Precisam dizer que o sonhador poderá ganhar muitos inimigos e que os altivos e invejosos procurarão a sua alma.

Então, esse negócio de dizer que o crente tem de sonhar, mas não orientá-lo sobre as implicações desse fenômeno cristão-espiritual é um perigo muito grande. José sonhou, no entanto, por suas atitudes percebe-se que estava consciente das adversidades que lhe sobrevinham de todos os lados.

Tempo a ser cumprido

Diz a Bíblia que “tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”, Ec 3: 1. Os irmãos de José debochavam dele quando ouviam contar seus sonhos. Mal sabiam que Deus tinha um tempo determinado para fazê-los cumprir, 42: 7. O tempo (kairós) de Deus não está preso ao nosso tempo (cronômetro). Deus tem o controle de tudo, pois é poderoso para fazer tudo, muito mais abundantemente e além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, Ef 3: 20.

Os fatos foram acontecendo na vida de José. Ele estava com 17 anos quando teve os primeiros sonhos. Era ainda um adolescente. Um moço sem experiência de vida, mas consciente dos planos de Deus. Nem mesmo o seu pai ousou questionar os mistérios divinos na vida de seu filho, v. 11. Quando foi tirado da prisão para interpretar os sonhos do faraó, ele estava com 30 anos, Gn 41: 46. Depois que Deus cumpriu todos os projetos em sua vida, José veio a falecer aos 110 anos, 50: 26.

Interessante que tudo foi acontecendo dentro do momento (kairós) de Deus. Nem antes e nem depois. Ele faz tudo na hora certa, ou seja, de repente o Espírito Santo é derramado, At 2; as portas se abrem, Ap 3: 7; o enfermo é curado, a bravura do mar é acalmada, o incrédulo é salvo. Nada pode impedir que os ponteiros do relógio de Deus marquem a hora de sua ação. Ele não está condicionado ao nosso tempo, mas somos nós que estamos condicionados a Deus. Descanse e aguarde o tempo determinado do cumprimento das promessas divinas em sua vida.

Os sonhos vêm durante o sono (durante a vida). Ao acordar, a pessoa ainda está com aquelas impressionantes imagens na mente. Então, vamos fazer uma dinâmica. Experimente virar a palavra “acordar” de trás para frente: ficaria DAR-COR-A. Percebeu o que aconteceu com essa inversão? “Dar-cor-a” significa que a vida tem a cor com que a pintamos. De que cor você está colorindo sua vida?

Finalizando, há pessoas que acordam todos os dias, o que é normal, mas parece que passam o dia ou a vida inteira dormindo. Sonhar é acordar para a vida e procurar dar cor aos projetos e realizações de Deus em nossa vida. Acredite em algo melhor que Deus tem para você. Mas não se esqueça de que os sonhos que Deus nos dá têm um propósito definido, um preço a ser pago e um tempo determinado a ser cumprido. Há um caminho longo a ser percorrido. Porém, não desista! Aprenda, diariamente, com José.

………………….

Fonte: Jornal Aleluia, dezembro de 2007

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *