As vestes de Jesus – Outubro/1995

Os soldados rasgaram as vestes de Jesus.
Essas nada simbolizavam porque glória, majestade,
divindade e poder são as vestes espirituais
de Jesus.

“E, havendo-o crucificado, repartiram as suas vestes,
lançando sortes, para que se cumprisse o que foi dito
pelo profeta: Repartiram entre si as minhas vestes,
e sobre a minha túnica lançaram sortes”

Mateus 27: 35

Nossas vestes falam de distinção social,
autoridade, costumes, pudor, respeito, etc.
Biblicamente, elas simbolizam proteção.
Gn 3: 10.

O texto de Mateus fala sobre “as vestes de Jesus”. Parece ser um tema polêmico e de difícil interpretação. No entanto, observe com atenção que, no momento em que Jesus morria pela humanidade na cruz do Calvário, os soldados tiraram as vestes dele e as repartiram entre si.

Fazendo uma aplicação, veremos que não tem sido diferente nos dias de hoje, pois estão tirando e repartindo as vestes de Jesus, ou seja, estão distorcendo as doutrinas cristológicas, ferindo os princípios bíblicos, distanciando muitos da fé cristã ou deixando-os no caminho da dúvida.

Vejamos com que vestes espirituais o Senhor Jesus está protegido e como isso pode ajudar-nos a compreender que Ele é Deus, a segunda pessoa da Trindade. Isto nos convida a uma profunda, consciente e atual reflexão.

A veste de glória e majestade

No Antigo Testamento, Deus manifesta sua presença no meio de seu povo através de sua glória. Moisés rogou a Deus que lhe mostrasse sua glória, Êx 33: 18. O profeta Ezequiel presenciou a glória do Senhor saindo do templo, cap. 10, e, mais tarde, presenciou a glória voltando ao tempo, cap. 34. Era a presença de Deus retornando à sua habitação.

No Novo Testamento, Deus manifesta sua presença ao homem na pessoa de Jesus. Ele é a glória de Deus que veio habitar em nosso meio, Jo 1: 14.

Para que a glória de Deus fosse revelada ao homem foi necessário que Jesus morresse, depois de sepultado, descesse às partes mais baixas da terra e ressuscitasse ao terceiro dia com corpo glorificado, subindo acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas, Ef 4: 8 a 10.

Ele é o rei dos reis e Senhor dos senhores que está vestido de glória e majestade. O salmista reconhece isto quando pergunta: “Quem é o rei da glória? O Senhor dos exércitos, Ele é o Rei da glória”, Sl 24: 10. “Glória e majestade estão diante d’Ele”, 1Cr. 16: 27. O texto de Apocalipse 5: 13 enaltece Jesus dizendo: “Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro [Jesus] seja o louvor, e a honra e a glória, e o poder para todo o sempre”.

A glória de Jesus expressa sua majestade que é grandeza própria dos reis. “Grande é o Senhor [Jesus] e mui digno de louvor”, Sl 48: 1.

Pela sua majestade Ele nos oferece uma grande salvação: “Como escaparemos nós se não atentarmos para uma tão grande salvação?”, Hb 2: 3. Por que grande? Porque o Deus que a providenciou é grande: “Que Deus é tão grande como o nosso Deus?”, reconhece o salmista; e como é grande o nosso pecado! Rm 3: 23.

Jesus veio como profeta, vive nos céus como sacerdote, e voltará em glória e majestade como Rei dos reis e Senhor dos senhores para implantar o seu reinado na terra, Ap. 17: 14.

A veste da divindade

Os profetas do Antigo Testamento falaram de Jesus como o Messias prometido, o Emanuel, o Deus Forte, Pai da Eternidade e o Príncipe da Paz. Isaías profetizou o seu nascimento, 9: 6. A Bíblia nos ensina que Jesus era verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem. Possuía duas naturezas: humana e divina.

Como homem, teve sua ascendência da linhagem de Davi, Mt. 1:1 e Rm 1:3, sendo concebido por uma virgem por obra do Espírito Santo, Mt. 1:18 a 20. Recebeu nomes humanos, Mc 6: 3, Lc. 19: 10. Era limitado, não podia estar em Jericó e Nazaré ao mesmo tempo. Ele caminhou, sentiu fome, sede e cansaço, Jo 4: 6 e 7.

Como Deus, era ilimitado, estava em todos os lugares ao mesmo instante. Conhecia os pensamentos e intenções do coração dos homens, Lc 5: 22; exerceu autoridade sobre a natureza, Mt 8: 26, e recebeu nomes divinos, Mt. 16: 16 e Ap 1: 17.

Divindade é a veste que nos leva a crer e aceitá-lo como Deus. Nada pode ofuscar essa verdade. Ele é o Deus Filho, segunda pessoa da Trindade.

Na matemática, a soma de um mais um são dois e, mais um, são três; na multiplicação: uma vez uma é um, vezes um novamente é um. Na matemática divina, a Trindade é assim: o Pai, o Filho e o Espírito Santo são três e os três são um.

Há aqueles que reconhecem Jesus como Filho de Deus, mas não como Deus. Dizem que Ele foi um simples homem à semelhança de João Batista, Elias, ou um dos profetas. Não reconhecê-lo como Deus seria proceder da mesma forma como os soldados fizeram quando Ele estava na cruz do calvário, despindo-o e repartindo suas vestes.

Ele, sendo Deus, conhece todas as necessidades do homem, até mesmo antes de pedir-lhe alguma coisa, Porque Ele é Deus, Nele podemos confiar sem nenhuma sombra de dúvida, Ef 3: 20.

A veste de poder

O homem sempre esteve prestando cultos a vários deuses, esquecendo-se de seu verdadeiro Criador. Infelizmente cultuam a deuses criados pela sua fantasia e estes, despidos de poder, nada podem fazer pela humanidade.

Jesus é Deus. Muitos pensam que Jesus, o Deus Filho, operou apenas no passado, e não mais realiza milagres no presente. A Bíblia, entretanto, diz que Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente, Hb 13: 8. Está presente conosco todos os dias, Mt. 28: 20.

Poder é sua veste especial para curar os enfermos, libertar os oprimidos e quebrar os grilhões de Satanás. Ele está protegido com essa veste: ”É-me dado todo o poder no céu e na terra”, Mt. 28: 18. À sua igreja é concedido o direito de usá-la: “Eu vos dei poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda força do inimigo, e nada vos fará dano algum”, Lc 10: 19.

Em Marcos 5: 25 a 34, lemos a história de uma mulher que estava enferma há doze anos e que havia utilizado todos os recursos da época para ser curada. Nada adiantava; pelo contrário, o seu estado era cada vez pior, v. 26. chegou ao seu conhecimento que Jesus passava pela sua cidade. Imediatamente procurou ver Jesus. Dizia ela: “Se tão somente tocar nas suas vestes, sararei”, v. 28. Ela fez o que disse; tocou na veste de Jesus e o milagre aconteceu: de Jesus saiu poder e a hemorragia estancou-se instantaneamente, v. 29.

Na verdade a mulher tocou na veste física de Jesus, v. 31. No sentido espiritual, pela fé, v. 34, tocou na veste de poder de Jesus. Ele é poderoso para curar, basta tocar-lhe na sua veste de poder para receber a bênção almejada.

Por isso, devemos procurar a proteção nas vestes do poder de Jesus para realizarmos sua obra e libertarmos os oprimidos e cativos pelo diabo.

Conclusão

Precisamos saber em quem estamos crendo. Este foi o grito de convicção do apóstolo Paulo quando disse: “… Porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que Ele é poderoso para guardar o meu depósito até aquele dia”, 2Tm 2: 12. Conhecê-lo através de experiências pessoais é uma necessidade para uma fé inabalável, Salmo 125: 1.

Podemos adquirir esse conhecimento através da leitura e meditação da Palavra, mantendo uma vida de oração e consagração, sendo aluno da Escola Bíblica Dominical e nos empenhando em ganhar almas para o Reino de Deus, Mc 16: 15.

…………………..

Fonte: Jornal Aleluia, outubro de 1995

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *