A Igreja rasante – Março/2001

A igreja de hoje preocupa
pela sua forma rasante de ser.
Parece que está muito ligada
a valores terrenos, esquecendo-se dos valores
celestiais que lhe deram origem

Há algum tempo, no interior do Estado de Minas Gerais, o piloto de um pequeno avião, que levava consigo um cameraman com a incumbência de filmar uma festa popular, resolveu, não sabemos por que razão, dar um voo rasante. O resultado desse aventuroso voo foi uma trombada com um poste da rede elétrica que matou várias pessoas e feriu outras, além de um “belo” inquérito policial para apurar as responsabilidades, sem levar em conta o prejuízo da destruição do avião.

A igreja de hoje preocupa pela sua forma rasante de ser; parece que está muito ligada a valores terrenos, esquecendo-se dos valores celestiais que lhe deram origem. Pensando sobre isso, entendemos que alguns fatores têm caracterizado a forma rasante de ser de muitas igrejas de hoje.

Perda da voz profética, Ez 3: 17; Jr 6: 27

“Filho do homem, eu te dei por atalaia sobre a casa de Israel; da minha boca ouvirás a palavra, e os avisarás da minha parte”.

A principal função do atalaia era avisar e advertir o povo quanto ao perigo iminente. Percebemos que, na ânsia de crescer, há muitos grupos cristãos que estão mais preocupados em agradar aos homens do que em proclamar o Evangelho integral.

A Igreja não pode perder de vista a missão de tocar a trombeta contra a corrupção, injustiças, opressão, falsidade, enfim contra todo o tipo de pecado. Jesus foi um autêntico atalaia, Mt 24. Não podemos nos dobrar diante da voz do deus deste mundo.

Teologia de balcão, At 8: 18-20 e At 15: 1-29

“Vendo, porém Simão que, pelo fato de imporem os apóstolos as mãos, era concedido o Espírito Santo, ofereceu-lhes dinheiro…”

Estamos no tempo da prática de teologias de observação rasa, sem consistência. As igrejas de hoje têm sido abaladas por um tremendo volume de idéias e práticas oriundas de observação superficial, sem o necessário embasamento bíblico. Isso tem produzido muitos cristãos sem compromisso com Deus e com Sua missão na Terra.

Simão, o mágico, ao observar que, através da imposição das mãos de Pedro, o Espírito Santo era concedido às pessoas, num passe de mágica desenvolveu sua “Teologia de Balcão”. Não percebeu as implicações necessárias para que houvesse aquelas manifestações genuínas do poder de Deus.

Simão tentou usar um princípio pagão para alcançar privilégios espirituais. Este é apenas um exemplo, mas há uma gama enorme de idéias humanas e pagãs inseridas e aceitas como práticas cristãs. Esta “teologia” quase sempre é produzida por mentes nervosas, achando que evangelho é “negócio”; é fruto de mentes dissociadas da realidade e vazias da revelação divina.

A verdadeira teologia é aquela que resulta de um coração nascido de novo e está atrelada a uma experiência real e contínua com Cristo. Mas a falsa teologia é fruto de mera reflexão humana e de uma prática espiritual irrefletida, como no caso dos filhos de Ceva que, mesmo usando o nome de Jesus, tiveram de fugir desnudos e feridos, por exercerem práticas espirituais sem conteúdo, At 19: 13-17.

O estacionamento da cruz, Mc 8: 34-38

“Quem quiser, pois, salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a vida por causa de mim e do Evangelho, salvá-la-á”, Mc 8: 35.

A cruz é o símbolo que evidencia a religião cristã. A mensagem do Cristianismo sempre esteve atrelada à cruz, porque Jesus, o Salvador, foi condenado a morrer numa cruz. O termo “cristão” significa “ser parecido com Cristo”, ou seja, andar como Ele andou, viver como Ele viveu e, se necessário, morrer como Ele morreu. Jesus nos convida para uma vida prazerosa, mas sacrificial; abundante, mas sofrida. No versículo acima citado, quem perde ganha, e quem ganha perde.

Ao chegar a nossa igreja atrasado, no domingo à noite, não é fácil encontrar lugar para estacionar, devido ao grande número de carros e à falta de espaço. Mas ao final do culto, o problema deixa de existir porque cada um toma o seu carro e vai para casa, deixando o estacionamento vazio.

Já quanto ao compromisso de carregar a cruz, parece acontecer o contrário. Enquanto o culto é realizado, o carro fica no estacionamento e muitos crentes carregam a cruz. Findo o culto, deixam a cruz de Cristo no estacionamento ao entrarem no carro, vindo a retomá-la somente no próximo domingo – e olha lá…

Estes cristãos só podem ser identificados durante o culto e nunca na vida diária, o que é uma pena. O correto é assumir a postura de Paulo, que disse: “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim”, Gl 2: 19-20.

O evolucionismo cristão, Ml 3: 6 e Mt 24: 35

“Por que Eu, o Senhor, não mudo.”

É perfeitamente cabível que haja mudanças orgânicas, diaconais e conceituais no andar da carruagem da Igreja rumo à Canaã Celestial, mas desde que sejam mudanças que tenham por objetivo recuperar a integralidade da intenção de Deus para Sua igreja. Quaisquer outras mudanças implicarão em sérios prejuízos.

Quando ouvimos falar da Teoria da Evolução, de Charles Darwin, ficamos profundamente tristes e não temos dúvidas em afirmar que ela se constitui num delírio forjado na mente de um homem sem Deus. É uma invenção sem cabimento esta estória de evolução das espécies. Mas, infelizmente, temos assistido a uma outra evolução, ou seja, a “evolução” do Cristianismo, que muitos têm aplaudido de pé.

O trágico nisso tudo é que Darwin escreveu uma teoria sobre a evolução. Portanto, cada um é livre para acreditar se quiser, pois é simplesmente uma teoria, onde ele propõe idéias baseadas em hipóteses. Contudo, o Cristianismo, que não é uma teoria, vem evoluindo inexplicavelmente.

Ao olharmos o Cristianismo pregado no NT e vivido pela Igreja Primitiva e compará-lo, historicamente, com a fé cristã até os nossos dias veremos diferenças radicais, ressalvadas as exceções históricas produzidas por avivamentos genuínos, que trouxeram de volta a disposição para o martírio, a comunhão de bens, a despreocupação denominacional, a exaltação de Jesus, o discipulado, milagres em série, enfim a atuação inconteste do Espírito Santo – uma espécie de continuação dos Atos dos Apóstolos.

A Palavra de Deus está completa, Ap 22: 18-19, e por isso não dá para entender por que muitos usam a Bíblia como se fosse um livro de receitas culinárias. Na medida em que são experimentados os vários tipos de comida, vão mudando para outras receitas e até inventando outras com base nas que já existem. O interessante é que saboreiam demais uma receita e desprezam outras necessariamente vitais, produzindo assim um Cristianismo diferente em cada época e descompromissado com a intenção original de Deus.

Conclusão

A Igreja foi vocacionada para voar nas alturas, pois o apóstolo Paulo afirma categoricamente que o Deus Pai “nos tem abençoado com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo”, Ef 1: 3. Desta forma, a missão da igreja deve ser a de buscar as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus, Cl 3: 1b. A Igreja do Senhor não pode se aventurar a viver rasantemente.

……………………

Fonte: Jornal Aleluia de março de 2001

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *