A IPRB no contexto religioso brasileiro – Julho/2003

A Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil
está vivendo uma nova onda
de despertamento. Igrejas locais estão crescendo,
novos presbitérios estão sendo fundados
e tanto a liderança como a membresia
estão conscientes de sua responsabilidade
neste mundo decadente. A denominação
está trabalhando em diferentes áreas,
a fim de oferecer maior contribuição à sociedade

Áreas que a IPRB está priorizando:

Ajudando espiritualmente as pessoas
através das igrejas locais

As igrejas locais têm tido o mais importante papel na denominação. Nelas os crentes são alimentados com a Palavra e treinados para fazer evangelismo pessoal. Algumas estão implantando o sistema de células ou trabalhando com pequenos grupos. Além das atividades normais de evangelismo, muitas igrejas locais têm programas específicos para alcançar famílias carentes, presidiários, dependentes químicos e outras pessoas necessitadas, exercendo a ação social.

Apoiando aos campos missionários

A MISPA é o braço missionário da denominação. Seu início foi modesto. Hoje a missão tem seus escritórios em Assis, SP, e vários pastores se dedicam à administração da missão com tempo integral. Seu sustento vem das contribuições das igrejas locais e de ofertas voluntárias doadas por aqueles que têm o coração na obra missionária.

A MISPA desenvolve projetos especiais no sertão pernambucano e no Norte do Brasil. A MISPA, além de sustentar campos missionários em diversos municípios brasileiros, trabalha entre algumas tribos indígenas e dá apoio a campos missionários internacionais em África do Sul, Angola, Bélgica, Bolívia, Argentina, Chile, China, Colômbia, Cabo Verde, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Haiti, Inglaterra, Índia, Itália, Japão, Polônia, Portugal, Rússia, Suíça e Venezuela.

A MISPA mantém cursos de missiologia e oferece vários cursos práticos, nas férias, para treinamento de interessados em auxiliar no evangelismo nas igrejas locais, junto aos seus pastores.

Ensinando e preparando
novos pastores e missionários

A IPRB tem dois seminários para a formação de seus pastores e missionários. Um deles está em Cianorte, região Sul do Brasil, com cerca de 150 alunos, e outro em Anápolis, no Brasil Central, com 70 alunos.
Além de encontros de avivamento, para os pastores já em atividade há dois projetos importantes: o PESC (Planejamento Estratégico de Crescimento Integral Sustentável) e outro destinado ao apoio e treinamento aos novos pastores, que tenham menos de dez anos de ministério. Os dois projetos promovem cursos, fornecem literatura e têm um líder para dinamizá-los. Além disso, por ocasião das Assembleias Gerais, um dia é dedicado ao SAT (Seminário de Atualização Teológica), quando um preletor fala a toda a liderança.

Publicando literatura própria

Para produção de literatura própria a baixo curso, a Igreja possui a Editora Aleluia. Ela nasceu a partir da publicação do Jornal Aleluia, editado inicialmente a cada dois meses. Hoje o Jornal é mensal e já ultrapassou a 420 edições. Para isso possui gráfica própria com cerca de 30 funcionários. A Editora publica livros de autores brasileiros e estrangeiros, hinários, redige e publica revistas de EBD e folhetos para evangelização. Distribui literatura de outros publicadores, além de prestar serviços comerciais a quem solicita seus préstimos. Ainda na área da comunicação, a Editora gerencia o site da denominação e um próprio, como Loja Virtual.

Ênfases e planos

A realidade brasileira exige uma Igreja ativa, dinâmica. As pessoas querem mais que formas litúrgicas e rituais. Nesse contexto, a IPRB tem procurado descobrir meios para fazer um evangelismo mais eficaz. Há, também, uma consciência da importância da comunhão, do discipulado, da Escola Bíblica Dominical e do trabalho social.

As igrejas locais têm sido encorajadas a desenvolver atividades especiais de evangelismo e comunhão através de grupos familiares. Uma forte ênfase vem sendo dada ao treinamento de liderança nas igrejas locais.

Os seminários estão profundamente envolvidos em preparar pessoas para o pastorado e também para o campo missionário. Além de cursos de extensão, há projetos para que se desenvolvam cursos para treinamento teológico em vídeo a serem destinados a líderes leigos que vivem em regiões mais distantes. E entendimentos para instalação de cursos de nível superior aos de graduação.

A IPRB é uma igreja nova. Muitas Igrejas locais, buscando sua estruturação, construíram ou estão construindo seus templos. Outras já estão ampliando. Há ainda muito a ser feito em todas as áreas e necessidades físicas a serem supridas. Uma novidade é a “Igreja da Criança”. Um templo com todas as instalações voltadas para o mundo infantil, separadas dos adultos, objetivando seu crescimento.

Os líderes locais, os pastores e a liderança nacional da IPRB têm planos, projetos e sonhos. Para que os grandes ideais se tornem realidade, requer-se o envolvimento total de cada membro do Corpo de Cristo. O peso do trabalho não pode recair apenas sobre os ombros da liderança ou de alguns. Cada cristão tem de assumir sua responsabilidade como discípulo de Jesus. A Igreja de Jesus só faz progresso quando todos abraçam a obra do Senhor com profundo amor em seus corações.

O Brasil tem uma população de mais de 206 milhões de habitantes. Destes, 125 milhões são católicos romanos. O último Censo mostrou um declínio no quadro da religião majoritária, cerca de 11,9%, e um avanço dos evangélicos, que passaram de 13 para 26 milhões. As igrejas que tiveram crescimento mais expressivo foram as pentecostais e as que estão abertas para a obra de renovação espiritual. A membresia da IPRB quase que dobrou nesse período, mostrando um crescimento de 95,3%. Em 2016 ultrapassou os 150 mil membros adultos.

A Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil é um ramo do presbiterianismo no Brasil com forte ênfase na obra do Espírito Santo. A Denominação prega que tanto o batismo com o Espírito Santo como os dons são bênçãos para os dias atuais. Prega, também, que o poder do Espírito é fundamental para todos os que desejam ter uma vida cristã eficaz e procuram comunicar o Evangelho com poder e autoridade. Adoração, comunhão, santificação, missões e evangelismo são algumas das palavras-chaves para os presbiterianos renovados.

Traços distintivos

Questiona-se, às vezes, o “presbiterianismo” dos presbiterianos renovados. Recente artigo de uma revista teológica fez isso. Não há como deixar de confessar que a IPRB tem suas peculiaridades. Uma delas é a posição teológica de seus pastores. Há defensores da teologia calvinista como também aqueles que abraçam as ênfases arminianas. Isso porque a Igreja aprendeu a não deixar que determinadas questões teológicas sejam entraves à boa convivência e à realização da obra de Deus.

Outra peculiaridade está em sua forma de governo. A IPRB adota o sistema presbiteriano, porém simplificado. Nele não existem os Sínodos, mas em seu lugar há uma diretoria, com poderes administrativos, formada por todos os presidentes de Presbitérios que decidem as principais questões da Igreja. O órgão máximo é a Assembleia Geral que elege a Diretoria Executiva. Essa estrutura lhe confere dinamismo administrativo, sem tirar o sentido participativo necessário diante da realidade social e cultural tão diversa que existe no Brasil.

Há, ainda, outras peculiaridades que dão à IPRB uma compleição bem particular. A liturgia simples e a inserção do trabalho leigo têm um alto valor no crescimento da Denominação.

Afinidade e união
marcam a origem da Igreja

No final dos anos 60, um movimento de renovação espiritual alcançou uma parte do meio presbiteriano no Brasil. Foi marcado por intensa oração, jejum, manifestação do dom de línguas, profecias e de outros dons do Espírito.

Grupos avivados surgiram e foram crescendo internamente até que, em 1968, esses membros da Igreja Presbiteriana do Brasil que foram influenciados pelo movimento de renovação espiritual deixaram a denominação e fundaram a Igreja Cristã Presbiteriana.

Processo semelhante aconteceu na Igreja Presbiteriana Independente. Muitos pastores e membros deixaram a Igreja e, em julho de 1972, fundaram a Igreja Presbiteriana Independente Renovada.

Essas duas denominações caminharam lado a lado mas, percebendo sua grande afinidade, trabalharam pela sua união. Em 8 de janeiro de 1975, dois presbitérios da Igreja Cristã Presbiteriana e seis da Igreja Presbiteriana Independente Renovada uniram-se, após uma série de reuniões de estudos e de entrosamento, e constituíram a Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil.

Participaram da primeira assembléia 58 pastores, 30 evangelistas e 78 igrejas foram representadas. A nova Denominação tinha 8 presbitérios, 8.335 membros e 12.497 alunos na EBD.

……………………

Fonte: Jornal Aleluia de julho de 2002
Dados atualizados em março de 2017

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *