O relacionamento conjugal abençoado tem suas regras – Maio/2007

Casamento é um compromisso a dois
que requer companheirismo, disposição
em compreender um ao outro, força nos momentos
difíceis e muita união.
Por isso, o matrimônio é uma comunidade de vida
e de amor para sempre, onde os cônjuges
se ajudam e se completam.

O Jornal do SBT, na edição do dia 13 de outubro de 2006, trouxe uma reportagem em que mostrava o Censo do IBGE. Nela constava que o número de matrimônio no Brasil subiu em dez por cento. A estatística mostrava, ainda, que as pessoas resolvem se casar por volta dos trinta anos e que, em um ano, há aproximadamente setecentos mil casamentos no Brasil.

Outro fato interessante, porém negativo, é que, mesmo havendo um aumento no número de casamento, a média de sua duração, dividido por estado, é: Rio de Janeiro, onze anos; São Paulo, sete anos; Minas Gerais, seis anos. A repórter terminou dizendo: “que seja eterno enquanto dure”. Mas o que fazer para que um casamento dure até que a morte separe os cônjuges?

Gênesis 2: 24 diz: “por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”. Esse texto traz princípios que, se observados, podem levar um casal a não entrar na estatística do IBGE, mas, sim, ingressar na vontade de Deus.

Quando Deus criou o homem logo viu que não era bom que este ficasse só. Com isso, a vontade de Deus foi de fazer uma auxiliadora que lhe fosse idônea. Isto é, uma pessoa que estivesse ao lado do homem e fosse semelhante a ele. Quando o homem viu esta mulher, aprovou a criação de Deus e, com isto, fora implantada a primeira lei entre os homens, a do casamento, que assim pode ser resumida:

Deixar pai e mãe

Na atualidade, tanto o homem quanto a mulher buscam independência pessoal dos seus progenitores. Com isso, o relacionamento no casamento tem o sentido de começar algo novo sem a interferência de ninguém. É a chamada independência pessoal.

Porém, independência pessoal e casamento não caminham juntos. Salomão já dizia: “o solitário busca o seu próprio interesse e insurge-se contra a verdadeira sabedoria”, Pv 18: 1. Sem sabedoria no dia-a-dia da vida conjugal, as dificuldades serão mais difíceis de serem superadas. Por isso, os dois precisam dar o sentido bíblico à união conjugal e saber compartilhar esse novo relacionamento.

Unir à sua mulher

No namoro, as pessoas se conhecem; no noivado, os dois fazem um acordo; e, no casamento, este pacto é selado diante dos homens e de Deus através da cerimônia civil e religiosa. Assim, vamos pedir a bênção de Deus para esta união. Bênção essa que concede o poder ao casal para alcançar sucesso, prosperidade, fertilidade e longevidade: “o que acha uma esposa acha o bem e alcançou a benevolência do Senhor”, Pv 18: 22. Cônjuges, percebam e entendam que o casamento não é com a mamãe e nem com o papai, mas o dois vão se tornar marido e esposa.

O Senhor criou o homem e a mulher com vocação para o amor, a comunhão e a união particular, pessoal e íntima. Ele fez o necessário para que a solidão do homem fosse suprida pela mulher e a da mulher pelo homem. Deus fez uma mulher com a capacidade de ajudar o seu companheiro, pois ela tinha os mesmos sentimentos e afeições do seu parceiro. Os dois poderiam caminhar juntos.

Tornar uma só carne

Neste ponto começa o maior desafio para o casal. Porque se trata de duas pessoas com cultura, hábitos, costumes e manias diferentes. E, quando começam a viver juntos, logo tudo aflora. Quando eram namorados conseguiam disfarçar bem os defeitos, mas, na convivência a dois, as coisas complicam. Por isso, o tempo de relacionamento mostrado pelo IBGE pode ser explicado. O relacionamento interpessoal deve ter um objetivo comum. E, se o objetivo é “viver juntos até que a morte os separe”, os dois devem envidar esforços para vencer a si mesmos nos pontos que os conflitam e procurar avançar mais nos aspectos que os unem e os aproximam.

Para iniciar, um relacionamento perfeito só é possível quando há harmonia e, para viver em harmonia, é preciso que ambos sejam um e não dois. O exemplo da maionese pode explicar, pois, na maionese, todos os ingredientes se unem para formar um novo sabor. O casamento deve ter um novo sabor. Depois, não deve ser esquecida a auto-regulagem, que é a capacidade de controlar todos os impulsos e reações que venham colocar a união em perigo, produzindo desarmonia. E aconselha-se a pôr em prática:

A criatividade – que é a capacidade de juntos terem idéias para resolver problemas, pois problemas todos têm. Mas o que faz a diferença é a capacidade criadora para saírem deles juntos, sem ninguém ficar para trás.

O compromisso – que é saber que no casamento os dois têm obrigações e deveres, e que eles devem ser respeitados. Cada um deve saber seu papel e função no casamento. Se um falhar, os dois sofrerão as conseqüências; se os dois acertarem nas decisões, haverá bons momentos entre eles e o fortalecimento do relacionamento.

A responsabilidade – que implica na obrigação de cada um responder pelos seus atos ou, quando for responsável por alguém, responder por este também. No casamento, os dois respondem diante dos homens e de Deus por esta nova família.

Com isso, os cônjuges podem caminhar para um casamento perfeito, pois casamento perfeito não é aquele que não tem problema, mas aquele em que há uma atuação mútua entre marido e esposa para que esta aliança se mantenha sólida até que a morte os separe. Isto é simbolizado pela aliança que os dois usam. Há dois instrumentos poderosos que Deus deu a todos: o pensamento, para refletir, e o diálogo, para chegar a um acordo. Tudo isso temperado com amor e fidelidade.

Considerações finais

Podemos perceber que o casamento não é somente uma cerimônia, mas é uma vivência que requer esforço próprio. Cada um deve pensar sempre na felicidade do outro para que a união seja duradoura. Isso tudo deve ser de acordo com a vontade de Deus que é até que a morte os separe.

—————–

Fonte: Jornal Aleluia, maio/2007

Alguns comentários
De André Prado
Igreja Batista de Bonsucesso
Rio de Janeiro

É muito importante estarmos cientes dos planos de Deus para a formação do lar, pois assim poderemos estar mais capacitados a resistirmos às investidas do diabo. O destruidor de nossas vidas tem investido fortemente no relacionamento conjugal, pois, conseguindo destruí-lo, atinge um sem número de pessoas que, direta ou indiretamente, estão ligadas a ele. Vejo que este artigo do pastor Nilton, ainda que abordando de forma compacta este assunto, traz à luz tudo o que é necessário para um bom alicerce matrimonial.

Do Pr. Marco Aurélio
Lagamar, MG

A ideia de casamento surgiu na mente de Deus, e sua instituição se concretizou com a criação do homem e da mulher. Atualmente o desafio de marido e esposa é entender suas diferenças e olhar para aquele que os criou com o propósito de serem um e de compartilharem os desafios cotidianos. O Pr. Nilton Vieira de Mattos foi muito feliz em sua reflexão sobre o relacionamento conjugal abençoado. Ele tem suas regras. Isso pelo fato de que é necessário que haja a coparticipação para o sucesso no casamento, deixando uma realidade passada e vivendo uma situação presente, onde os dois formam uma nova família. Parabéns, pastor Nilton; continue a escrever e a cooperar para o sucesso de tantos lares carentes de uma palavra segura e orientadora.

Do Pr. Eliandro Costa Cordeiro
Seminário Presbiteriano Renovado
Cianorte, PR

O Pr. Nilton relembra-nos elementos simples, porém impreteríveis ao casamento. Infelizmente esta instituição divina tem-se tornado, a cada dia, apenas um ritual de passagem, onde um ou outro assume um papel independente ou até mesmo de déspota. “Ancorar-nos” na Palavra de Deus é sempre o melhor caminho. Ainda que “aparentemente” simples, a realidade requer esforço, conforme diz o autor, mas nada que o amor não vença. Portanto, parabéns ao pastor pelo artigo e ao Jornal Aleluia por procurar ser sempre atual e bíblico.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *