A arte de falar a mesma língua no contexto bíblico-ministerial – Junho/2016

“Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo,
que faleis todos a mesma coisa e que não haja
entre vós divisões; antes, sejais inteiramente
unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer”
1Co 1:10

Naturalmente o leitor já tenha ouvido esta frase: “Aqui,
todos precisam falar a mesma língua”. Em palestra, um gerente
de uma rede de lojas diz aos seus funcionários: “Precisamos ser unidos,
não podemos ficar dispersos, temos de focar o mesmo alvo,
se é que queremos alcançar nossas metas financeiras,
conquistar novos clientes e continuar sendo a maior
rede de lojas do Brasil”.

Falar a mesma língua precisa ser a marca de nossa
identificação, pois esse é o imperativo de sucesso de qualquer
grupo que tenha um fim proposto. Seja na família, na escola,
no futebol, na empresa, na igreja, no trabalho,
em qualquer repartição ou segmento há sempre
a necessidade de se viver o espírito
de luta, munido pela união de um mesmo parecer
e disposição mental.
Contudo, ninguém discordaria de que não é nada fácil
exercitar essa “ginástica”, ainda mais dentro do contexto
eclesiástico-ministerial.

O apóstolo Paulo, ao se dirigir à igreja de Corinto com um discurso de urgência sobre a necessidade da unidade na administração e projetos da igreja, deixa evidente que havia entre os crentes dificuldade de se falar uma mesma língua. Esse fato estava trazendo sérios problemas para as lideranças locais e regionais, bem como provocando uma “linha de impedimento” no crescimento integral (orgânico, diaconal, conceitual e numérico) dessa igreja.

Com isso, surgiram dentro da igreja torcidas e bandeiras apostólicas sem precedentes, gerando partidos político-eclesiásticos, a ponto de irmãos se odiarem e guerrearem: “Refiro-me ao fato de um de vós afirmar: “Eu sou de Paulo”; enquanto o outro declara: “Eu sou de Apolo”; e outro: “Eu sou de Pedro”; e outro ainda: “Eu sou de Cristo! ” (1Co 1:12). Foi por essa razão que o apóstolo os chamou de carnais, invejosos, segundo os padrões deste mundo (1Co 3:3).

Hoje não tem sido diferente nas famílias, na política, nas denominações. Os fatos tomam dimensão bem mais rápido do que naqueles dias. Àquela época, o mundo em que a igreja de Corinto estava inserida era mais compacto, retraído e tímido. Não estamos dizendo que não havia violência, criminalidade, assaltos, corrupção, etc. O mundo foi sempre perverso, desde o início, após o pecado (Gn 3). O que estamos dizendo é que hoje tudo é mais veloz e dinâmico. Tudo se faz e refaz numa velocidade incrível.

As redes sociais e os meios de comunicação, que por sinal são uma bênção e têm seus valores, transformou o mundo numa “aldeia globalizada“, onde todos sabem de todos em qualquer lugar deste planeta em fração de minutos. No entanto, esse avanço tem trazido certos desvarios e constrangimentos, que prejudicam a obra de Deus. É sobre isso que gostaríamos de refletir neste momento, por ocasião do dia do pastor, segundo domingo de junho, uma vez que somos responsáveis pelo rebanho de Deus (Hb 13:17).

BÍBLIA E TEOLOGIA

A teologia existe porque a Bíblia é um livro invulnerável e inatacável. Se a Teologia discute sobre a existência de Deus e os fatos relacionados a ele e ao mundo, não há como desvincular um do outro nem tampouco fundamentar qualquer tese teológica sem o respaldo das Escrituras. Não é assim que temos visto hoje em dia, quando muitos tentam sustentar de qualquer forma suas correntes teológicas. Jesus disse que uma casa (teologia) sem fundamento (Bíblia), construída sobre a areia, não suportaria a chuva e a força dos ventos que soprariam contra ela (Mt 7:24-27).

Pregam-se, hoje, mensagens sem nenhuma fundamentação bíblico-teológica. Por isso, os pastores e líderes da IPRB precisam precaver-se com relação àquilo que ensinam nos púlpitos. Há muita discussão desnecessária sobre certos conceitos que não nos levam a lugar algum. O verdadeiro conhecimento bíblico é a essência de uma boa e sadia teologia bíblica. Deus disse pelo profeta Oséias que o seu povo errava por falta de conhecimento (Os 4:6). É tempo de pregar e ensinar usando a mesma linguagem.

TEOLOGIA E ECLESIOLOGIA

É bem verdade que a teologia bíblica não é um produto acabado. Se assim fosse, não existiriam discussões e especulações a seu respeito. Todavia, ela não deve ser banalizada, como ocorreu em algumas circunstâncias da história. Há quem diga que a teologia, de tempo em tempo, precisa ser reformulada. Essa é uma questão que tem sido alvo de debates acadêmicos e ministeriais. No entanto, sendo ou não verdade qualquer conjectura a respeito de seus conceitos, seus princípios bíblicos jamais poderão ser alterados.

A eclesiologia, por sua vez, que é o ramo da teologia que trata da doutrina da igreja, responsável por assuntos importantes, como o papel da salvação, sua origem, sua disciplina, sua forma de se relacionar com o mundo, seu papel social, as mudanças ocorridas, as crises enfrentadas, a relação com outras denominações e sua forma de governo (veja a Confissão de Fé da IPRB), deve ser orientada por uma teologia, essencialmente, bíblica, madura e equilibrada, e, por que não dizer, holística. Por isso, a IPRB crê e adota uma eclesiologia com diretrizes balizadas unicamente pela Bíblia, o que nos outorga o status de uma denominação séria e reconhecida pelos segmentos políticos, religiosos e sociais em geral.

ECLESIOLOGIA E UNIDADE

Se a eclesiologia é responsável pela conduta da igreja dentro dos trilhos de uma teologia sadia e equilibrada, a unidade, neste caso, é o resultado dessa engrenagem, que funciona como mola-mestra da igreja. Quer dizer, a unidade é o ponto-chave para que a igreja tenha êxito na missão de fazer discípulos de todas as nações, segundo as palavras do próprio Jesus: “A fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste. […] Eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados em unidade” (Jo 17:21 e 23).

Fica evidente no discurso de Jesus que a unidade move o corpo de Cristo. Sem ela o mundo é impedido de crer que Jesus foi o enviado do Pai, e não há como o corpo ter vida plena. Paulo deixa isso claro quando fala da igreja como corpo de Cristo: “Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo (1Co 12:12). Portanto, entende-se que a unidade é parte essencial e indispensável, a fim de que os membros do corpo de Cristo sejam de mesma disposição mental e parecer.

UNIDADE E DIVERSIDADE

Por fim, aqui se complementa o processo da arte de falar uma mesma língua. A unidade é a característica dominante do corpo; e a diversidade, a cooperação no funcionamento. Parece não ser possível ter o mesmo parecer quando se trata de igreja. No entanto, na unidade todos são um e um são todos, porque o corpo precisa ser bem ajustado. Dentro da diversidade, todos não são todos, porque são membros diferentes que formam o corpo. Todavia, todos dependem de todos porque estão ligados uns aos outros no mesmo corpo.

Mas como explicar isso? O apóstolo Paulo dá a receita certa para esta pergunta: “Porque também o corpo não é só membro, mas muitos. […] O certo é que há muitos membros, mas um só corpo” (1Co 12:14,20). Portanto, a diversidade na unidade é uma realidade necessária, e não há como dizer o contrário. É na diversidade que as ideias opostas se acasalam e geram bons resultados. Além do mais, é bom lembramos que Deus nos criou únicos e é exatamente por isso que não seremos jamais iguais: “Mas Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhes aprouve” (1Co 12:18).

Por isso, caros colegas, estejamos certos de que Deus colocou cada um nós em seu devido lugar no corpo, com uma função específica, o que é salutar para a igreja. Podemos, sim, caminhar harmoniosamente dentro da diversidade, tendo um mesmo parecer, como o apóstolo recomenda aos crentes de Corinto, respeitando o espaço psicológico uns dos outros, porque a igreja é de Deus, e não nossa. Uma das grandes virtudes do ser humano é ser submisso a Deus e aguardar o momento certo de ser usado por ele naquilo que for a Sua vontade.

Desta forma, desejamos que Deus capacite e abençoe a todos os pastores e pastores auxiliares da IPRB, dando-lhes muita graça e sabedoria. Que nossos pastores e suas famílias sejam, dignamente, reconhecidos como homens e mulheres que o Senhor escolheu para pastorear o rebanho divino.

LIÇÕES PEDAGÓGICAS CONCLUSIVAS

Diante de tudo que analisamos, vamos elencar algumas lições bíblico-pedagógicas, que nos propõem diretrizes para o uso comum de uma mesma língua no discurso ministerial e denominacional.

Lição 1: Nenhum projeto, seja ele espiritual ou material, terá sucesso se todos não se unirem para falar ou pensar uma mesma coisa.

Lição 2: Todo projeto precisa ter como propósito primeiro o Reino de Deus, e não do homem ou da instituição.

Lição 3: Quando não se fala uma mesma língua, na edificação de qualquer empreendimento, a tendência é que ele seja embargado por Deus.

Lição 4: Falar a mesma língua consiste na arte da unidade-diversidade, para que os pontos de vista tenham uma vista correta dos pontos.

Lição 5: Para se elaborar qualquer tipo de projeto, precisamos, antes de tudo, consultar e buscar a direção e a aprovação de Deus.

A IPRB é fruto do avivamento – Junho/1975 e Julho/2000

O avivamento chegou!
Com ele a bênção. Nele estão a coragem, a firmeza,
a fé, o arrependimento, o abandono de pecados,
a santificação, a pureza
e o propósito de só amar a Deus.

Avivamento é renovação

Renovação por dentro. Renovação por fora. Despertamento. Todos querem ser renovados. É uma necessidade. Renovação faz parte da vida. A natureza muda. As estações mudam. Água doce e salgada muda. Árvores e animais mudam. O homem muda o meio ambiente. O próprio homem muda. A vida exige mudança. O passado ficou. O presente é. O futuro virá. É a mudança. Quantas vezes total e completa.

Avivamento é vida espiritual

Renovação na vida religiosa. Fala à alma, ao espírito. É vontade de Deus ao homem, Sua imagem. É bênção de Deus derramada no coração do homem. É despertamento religioso muito profundo. Atinge o coração, a alma, a personalidade toda. É a entrada do Espírito Santo no interior do homem, dominando-o inteiramente.


Avivamento é pentecostes

É o derramamento da chama do céu. Avivamento real e de PODER ligam-se intimamente ao pentecostes. Com ele a VIRTUDE dos céus envolveu os homens da igreja primitiva que abalou o mundo de seus dias. Era o PODER DO ESPÍRITO SANTO nas vidas resgatadas pelo sangue do Cordeiro de Deus. O pecador renovado é um cristão sobrenatural. Passou por uma experiência sobrenatural. É um pentecostal. Avivamento é muito mais do que cantar corinhos, do que orar, do que visitar, do que ser membro de uma igreja local. É Deus no centro da vida. É estar cheio de Deus. O avivamento está ao nosso alcance.


Avivamento é uma comunidade embebida de Deus

Deus incendiou a igreja de Jerusalém. O povo da cidade presenciou o fogo que ardia. Milhares foram salvos. Avivamento é chama no púlpito e nos bancos da Igreja, isto é, nos ouvintes. Avivamento é uma comunidade embebida de Deus. É vida santificada. Avivamento é o único plano de Deus para incendiar o mundo. Avivamento é PODER. Poder para evangelizar. Poder para salvar as almas.


O avivamento chegou

Com ele a bênção. Exige um preço. Ele entra e o pecado sai. Nele estão a coragem, a firmeza, a fé, o arrependimento, o abandono de pecados, a santificação, a pureza e o propósito de só amar a Deus. Começa com a Palavra de Deus. Apoia-se na Palavra de Deus. Inspira-se na Palavra de Deus. Alimenta-se da Palavra de Deus. É o resultado de orações, jejuns, vigílias, humilhação e estudo da Palavra de Deus. Este avivamento inflama os corações com um PODER tal que a vida se torna uma chama nas mãos de Deus. É vida nova com o Senhor. É separação do mundo.


O avivamento está ao nosso alcance

Deus continua entre nós. Ele quer derramar do seu Espírito. Se não vem é porque a confiança está ainda depositada nos planos humanos. O importante é colocar tudo no altar até que a promessa venha. O cristão deve viver tão alto que não precise do mundo. Há igrejas que precisam de novos pastores para os púlpitos. E há bancos que precisam de novos auditórios.

Busque este avivamento e tenha poder!