Orai sem cessar – Novembro/2005

Oportuna análise da recomendação
paulina presente na Carta
aos Tessalonicentes 5: 17

Orar é o melhor remédio para todas as crises e carências humanas. Sem oração, a vida cristã torna-se árida. A oração é a chave nas mãos da fé que pode abrir o celeiro do céu, onde estão os inesgotáveis recursos divinos. É pela oração que nós abrimos o coração a Deus. Por isso devemos empregar esforços e táticas para conservar aberta a comunhão entre Ele e nós (Salmo 42:8).

Através de todos os tempos, os homens têm sentido a necessidade de orar, tornando-se piores ou melhores, consoante o grau de intensidade e persistência com que o fazem (Atos 10: 1-4)

O grande pregador Moody disse o seguinte acerca da oração:

“A oração é a porta pela qual Deus opera a sua vontade soberana em nossas vidas. Um filho de Deus se vê mais apoiado nos joelhos do que um filósofo na ponta dos pés.” Isto é tão verdade que a própria experiência nos revela o grande alcance e o superior efeito da oração. Jesus iniciou e terminou o seu ministério voltado para oração.

É inconcebível:

Felicidade ou vitória, sem darmos graças.

Esforços diários coroados de êxito, sem Deus partilhar.

Problemas difíceis, sem Deus para aconselhar.

Impotência e fraqueza, sem pedir auxílio a Deus.

Desgostos, sem recorremos a Deus para consolação.

Aflições, sem o socorro divino.
Há muita solidão e tristeza numa vida sem oração.

O que a oração não é:

não é um argumento bem idealizado
para tentar convencer a Deus;

não é uma imposição para o agir de Deus;

não é um meio de persuasão para Deus agir;

não deve ser apenas um rol de pedidos
para benefício pessoal;

não pode ser meras repetições.

O que a oração é:

é trabalho e é poder;

é uma solene correspondência entre nós e Deus;

é a porta para a mais íntima comunhão
e convivência com Deus;

é a nossa respiração espiritual;

é uma transação entre nós e Deus;

é um refúgio para o fraco;

é um reforço para o forte;

é a chave para a direção divina;

é um dos fatores mais importantes para moldar
o caráter em conformidade com o propósito divino;

é um mandamento;

é o maior privilégio que nós possuímos;

é a expressão de necessidades e gratidão.

Moody também dizia que não há registros de Jesus ter ensinado os seus discípulos a pregar, mas ensinou-os a orar. Como um pai ou mãe tem prazer em que o filho converse com ele(a), lhe faça confidências, lhe peça conselhos ou fale dos seus problemas, também Deus tem prazer em que os seus filhos procedam do mesmo modo. A oração do homem íntegro é o seu contentamento (Provérbios 15:8). Devemos dar, frequentemente, a Deus este prazer.

Geralmente as orações são feitas sob o peso das necessidades. Mas, pondo os nossos interesses de parte, oração deverá ser essencialmente desejo de conviver com Deus. O anseio pelas coisas espirituais, a avidez de descobrir os mistérios divinos, a sensação interior que se traduz por fome de Deus, é que determinam a frequência e intensidade que a oração tem nas nossas vidas (Salmo 42:1 e 2).

Para chegar a Deus – diz o filósofo brasileiro Hermógenes – é simples: basta que tenhamos por Ele a mesma avidez que o peixe fora de água tem por lá voltar. O cristão deve ter a sensação permanente da presença de Deus.

Um fabricante de produtos de vitaminas, na sua campanha publicitária, chamou à avitaminose e falta de elementos nutricionais na nossa estrutura física de fome oculta. As pessoas podem saciar a fome com uma refeição abundante; mas nem sempre se alimentam, por isso ele designou a avitaminose dessa maneira.

Infelizmente as pessoas hoje também padecem de fome espiritual oculta. O mundo está cheio de desespero, tristeza, sofrimento, ansiedade; o que precisamos não é de mais religião, mas de uma experiência espiritual autêntica com Deus. Apresente-se no lugar de oração! Uma vida que tenha por alicerce uma experiência genuína com Deus poderá resistir a qualquer temporal.

A presença de Deus em nossa vida é uma necessidade absoluta. Sem Deus presente na vida coletiva da igreja ou na vida particular de cada membro, é impossível permanecer, prosperar e vencer. E nenhum cristão poderá atingir apreciável crescimento espiritual sem intensiva oração, pois ela é o único veículo de correspondência entre Deus e nós e a única forma de requerer e manter a sua presença.

Você tem orado?

———–
Fonte: Jornal Aleluia de novembro de 2005

No coração dos líderes, nasce o clamor pelo avivamento – Setembro/2006

Avivar é dar vida, trazer de volta
aquilo que já foi. Para experimentá-lo
é preciso que as pessoas reconheçam
sua necessidade

O clamor pelo avivamento precisa ter seu início no coração dos líderes, conforme o livro de Joel. Seu apelo foi “Chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, entre o alpendre e o altar”, 2: 17. Porém, é necessário levar o povo à fonte: “Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto. E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR, vosso Deus…”, 2: 12-13.

Nossa amada igreja possui como slogan este clamor: “Aviva, ó Senhor, a tua obra”. Que esta seja a oração de cada presbiteriano renovado, especialmente de seus ministros.

Avivar é dar vida. Reavivar seria, no caso, ressuscitar trazer de volta aquilo que já foi. Para experimentá-lo é preciso que as pessoas reconheçam a sua necessidade. O avivamento traz alegria, ousadia, despertamento à igreja. É como o primeiro milagre que Jesus realizou: quando só havia água, aí, então, Ele agiu e transformou-a em vinho, Jo 2: 1-11.

Um tempo da busca ansiosa

Todo movimento de avivamento é precedido do cálice da frieza e indiferença generalizada. É o caso, inclusive, de se sentir na pele a solidão diante de um “vale de ossos secos” que torna evidente a miséria reinante, onde se pode ver com clareza a desistência de muitos.

Por isso, vemos que os reavivamentos ocorridos na história da igreja sempre foram iniciados a partir de um remanescente que teve de enfrentar a oposição da maioria que sempre preferiu reclamar do estado caótico em vez de buscar a solução através do quebrantamento diante de Deus, a fim de que a terra fosse sarada, 2 Cr 7: 14.

A igreja só poderá conquistar o coração do mundo quando tiver seu coração conquistado por Jesus, Sl 62: 8. Cristo não pode nos possuir até que sejamos verdadeiramente quebrantados. Precisamos semear com lágrimas para vermos o fruto ou tomarmos posse das promessas que plantamos com fé, Sl 126: 1.

Um tempo de refrigério

Deus faz de seus ministros “labaredas de fogo”, Hb 1: 7, e, ao iniciar, o avivamento se alastra como fogo e passa a envolver um número ilimitado de pessoas, gerando arrependimento de pecados, salvação de vidas, despertamento missionário e maior zelo pelas coisas de Deus. O resultado sempre é estrondoso.

Diante do intenso ardor causado nos corações dos cristãos, tem início uma batalha contra as próprias fortalezas do mal, saqueando as vidas que estão sob o jugo de Satanás. Isso resulta em conversões de pessoas e famílias que jamais se imaginaria fossem dar esse passo, pois passamos a empunhar “as armas da nossa milícia que não são carnais, mas são poderosas em Deus para destruição das fortalezas” (2Co 10: 4). O fogo inflama como em madeira seca.

Robert Murray McCheyne, séc. XIX, na Escócia, buscou ansiosamente pelo avivamento e, quando ele veio foi descrito como “uma enchente represada, rompendo todos os obstáculos”. Lágrimas corriam de muitos olhos, e algumas pessoas caíam no chão, gemendo e clamando por misericórdia. Daquela noite em diante, houve reuniões diariamente por muitas semanas. A cidade inteira foi abalada. Muitos crentes duvidaram; outros se enfureciam; mas a Palavra de Deus crescia poderosamente e prevalecia. Houve casos em que famílias inteiras foram convertidas ao mesmo tempo.

No entanto, não se pode ignorar que junto com a beleza das rosas há os espinhos, que são os oposicionistas, aqueles se intitulam os “guardiões do modo como Deus deve agir”. Um exemplo disso foi quando Deus abençoou Andrew Murray e a Igreja Reformada da cidade do Cabo com um avivamento. O Espírito desceu e operou poderosamente, mas ele enfrentou muita oposição.

A meu ver, pode-se até medir a profundidade do avivamento pela quantidade de perseguição que enfrenta. Alguns pastores da mesma Igreja de Murray disseram que ele ensinava uma doutrina falsa, que havia saído dos trilhos, mas a palavra do Senhor prevalecia.

Os estragos que são produzidos na igreja, bem como a falta de mergulhar intensamente na obra de evangelização e destruição das obras do maligno, procedem dos próprios crentes – não dos ímpios! Eles não nos causam muitos problemas, mas sim, aqueles que se consideram crentes e que, na realidade, são mornos e, por isso, causam mal-estar ao Senhor Jesus, Ap 3: 15.

Mas quando a igreja está vivendo o mover de Deus em seu interior, ela jamais temerá qualquer crítica ou oposição, pois as portas do inferno não vão prevalecer diante dela, Mt 16: 18.

Um tempo de perseverança na unção

Ao estudarmos a história da igreja e os avivamentos que aconteceram, podemos encontrar os desistentes que se fizeram de vítimas diante da tendência humanista de, pouco a pouco, se cansar e abandonar tudo por causa das oposições e críticas daqueles que não se abriram para receber algo novo de Deus.

A unção sempre foi discutida e questionada, mas só quem a experimenta pode dizer qual é o seu “sabor”. Tenho comigo uma convicção: aqueles que não dão liberdade para Deus tocar seus corações, e isto Ele só fará se abrirmos a porta voluntariamente, certamente serão tocados pelo Diabo, que é especialista em arrombar corações críticos, frios e indiferentes.

Há de se levar em conta que todo pioneiro do avivamento pagou um alto preço para que ele viesse e para que fosse alastrado e mantido. Em se tratando de avivamento, não podemos esquecer que, “se não houver lenha, o fogo se apagará”, não por ser falso, mas por falta de ser alimentado.

“O fogo do céu não é de segunda categoria, fogo usado, de segunda mão, gasto, que perdeu a qualidade. Deus tem somente um tipo de fogo: sempre renovado, claro, inflamado, saltitante e novinho em folha” – (Renhard Bonke).

Muitos dizem orgulhosamente: “eu falei que isso era só fogo de palha”, mas quem ousaria dizer que o fogo na palha não é fogo? O que faltou foi juntar a lenha sobre ele. O propósito real do avivamento é fazer mover a máquina, levando o Evangelho aos corações das multidões que estão “…no vale da decisão”, Jl 3: 14. Quando isso não é assumido com seriedade, sua chama acaba diminuindo, pois o mover de Deus é para que a igreja “levante-se e vá…, e não para que ela se assente e fique lamentando as críticas e oposições”. Não existe no movimento de avivamento o ministério “esquentador de banco”, ao contrário, corações avivados não suportam ficar sem ação em hora de luta e de quebrantamento.

Conclusão

O mesmo Deus que visitou seu povo, em Atos 2, quer fazer uma obra especial em nossos dias. O mesmo Espírito Santo que esteve na Rua Azusa, há 100 anos, quer se fazer presente em nossas vidas e em nossas igrejas. Por isso, digo a todos que “é tempo de buscar ao SENHOR, até que venha e chova a justiça sobre nós”, Os 10: 12. Bem-vindo, Espírito Santo!

—————–
Fonte: Jornal Aleluia de setembro de 2006