12 – PROJETOS DE GOVERNANÇA ECLESIÁSTICA

Relator: Edimar Guidino
Dorival Pinheiro
Edivaldo Ferreira
Flávio Marques
Jaime de Moura
Assessoria: Cirano Soares de Campos

Considerando os aspectos apresentados nesse fórum, diante desta vasta gama de conhecimentos nas mais diversas áreas, como cuidado pastoral, discipulado, administração eclesiástica, Missio Dei, contextualização do evangelho, cosmovisão cristã.

Considerando que estamos vivendo em uma sociedade líquida, saímos de um contexto de igrejas rurais e migramos para igrejas urbanas.

As inquirições que vem em nossas mentes são: como é a Igreja que queremos ser para ser relevante em nossa sociedade, buscamos ser uma igreja contextualizada para cumprir a Missio Dei, ser uma igreja que influencia onde está plantada.

As nossas igrejas urbanas devem rever e realizar uma releitura de seu papel missional, a sua igreja deve compreender os aspectos sociais, econômicos, culturais, filosóficos que influenciam sua cidade.

Conseguimos dar as respostas necessárias a essa sociedade liquida?

Realmente queremos mudar para crescer, porque toda mudança gera uma nova releitura da situação, todo novo começo é difícil.

Estamos abertos ter uma igreja missional para cumprir a Missio Dei.

Juntos podemos mudar a realidade de nossa denominação para um crescimento sustentável, se houver realmente um envolvimento de todos os presbitérios.

Considerando a pesquisa apresentada aos caros conciliares sobre o diagnostico da IPRB, gera um certo alerta para rever algumas ações, planos e projetos para denominação.

PROPOSTAS:

  1. Revisão do plano estratégico da IPRB.(quais as linhas que iremos definir a nível de denominação)
  2. No portal da IPRB – disponibilizar ferramentas que colaborem para auxiliar os pastores para uma melhor gestão eclesiásticas segundo o seu contexto local.
  3. Proporcionar nos Presbitérios workshop multidisciplinares (gestão financeira, gestão de projetos, implantação e revitalização de igrejas, cuidado pastoral, atualização teológica, pregação expositiva), com uma agenda pré-definida anual.
  4. Nova composição do quórum da A.G, DE, DA, 10% dos pastores do presbitério, 10 % dos representantes das igrejas locais.
  5. Congresso Nacional da IPRB. (encontro anual dos pastores), desvinculado da AG.

“Quando os justos florescem, o povo se alegra; quando os ímpios governam, o povo geme”, Pv 29: 2.