Jornal Aleluia: quatro décadas divulgando a Palavra e registrando a história da Igreja – Fevereiro/2012

O jornal Aleluia chega, com esta edição, aos seus 40 anos de circulação. É uma rica oportunidade para refletirmos sobre seu valor denominacional. Ele é o órgão oficial da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil, (IPRB). Fundado em 1972, pelos saudosos pastores Abel Amaral Camargo, ex-presidente da IPRB, Palmiro Francisco de Andrade, ex-diretor do SPR de Cianorte, e Rev. Azor Etz Rodrigues (todos in memoriam), e Pr. Nilton Tuller, atualmente presidente da Igreja Casa de Oração para Todos os Povos – O MOLIVI, em Maringá, PR.

Antes de qualquer consideração sobre a importância do Jornal Aleluia para a IPRB, registramos nossa gratidão a Deus pela vida desses abnegados servos do Senhor que já partiram para a glória, mas que deixaram suas marcas nas páginas da história da IPRB. Ao Pr. Nilton Tuller, nosso grande amigo, em nome de toda a Igreja, a nossa mais sincera gratidão pelos seus serviços prestados ao jornal Aleluia e à Denominação.

O propósito do Aleluia

O Jornal Aleluia foi “idealizado com o propósito de debater e proclamar a mensagem da Renovação Espiritual, no final da década de 60, do século XX, em nosso país, bem como bem como de anunciar a Palavra de Salvação do Evangelho do Senhor Jesus Cristo”. Além disso, desde essa data, suas publicações têm sido valiosas e contribuído para preservar a história da IPRB.

Precisamos reconhecer que, sem essa literatura, nossa história não seria escrita, mas seria simplesmente a palavra falada. Prova disso é a edição do livro “A IPRB na virada do Milênio”, lançado em dezembro de 2010, pela Editora Aleluia, que traz os registros da primeira década de conquistas do terceiro milênio (2001-1010). Praticamente todo material ali exposto teve como fonte o Aleluia.

A primeira edição

No final da década de 60, o avivamento espiritual alcançou grande parte das igrejas presbiterianas no Brasil. Em Assis, SP, pastores percebiam a grande necessidade de levar a mensagem de renovação às Igrejas que aceitavam o mover de Deus. Entretanto, os artigos e notícias em geral desse agir de Deus não eram, em hipótese alguma, divulgados pelo órgão oficial (Jornal) das Igrejas naquela época, que não viam o avivamento com bons olhos.

Por conta disso, os pastores líderes do movimento de renovação espiritual tiveram a brilhante ideai de fundar o Jornal Aleluia para divulgação das novas experiências que muitos pastores, presbíteros, diáconos e membros das igrejas estavam vivendo. Houve uma edição “0” (zero), preparada pelo pastor Nilton Tuller, com tiragem de cem exemplares, impressa em papel sulfite. Mas foi em janeiro de 1972 que, efetivamente, nascia a edição número 1 do Aleluia. Portanto, como brinde desta data comemorativa, temos a alegria de colocar as mãos de cada pastor e pastor auxiliar uma reprodução da edição número 1, juntamente com esta edição 371.

O desafio da persistência

Muitas foram as dificuldades para chegarmos até aqui. Por isso é bom frisarmos que o registro de tudo aquilo que aconteceu e que acontece na IPRB, nos rincões desta nação, bem como no exterior, tem sido, desde a primeira edição um trabalho de desafio e perseverança daqueles que assumiram essa tarefa. Ou seja, se ainda hoje ele circula em nosso meio, é porque existem pessoas convictas do chamado divino para uma obra específica.

Não podemos nos esquecer do professor Joel Ribeiro de Camargo, que foi seu redator e organizador por 32 anos, e que dedicou o melhor de sua vida à publicação de centenas de edições. A ele e família, o nosso reconhecimento pelos trabalhos prestados ao Aleluia nesses longos anos. Agradecemos ao Pr. Rubens Paes que, desde 2006, passou a ser o diretor da Editora Aleluia e o redator responsável pelo jornal. Não podemos nos esquecer, também, de todos aqueles que, de uma forma ou de outra, deram sua parcela de contribuição para que esses 40 anos fossem hoje comemorados.

Literatura que edifica

O Aleluia não é apenas um informativo ou um veículo que leva às pessoas avisos e notícias daquilo que acontece em nossas igrejas, como encontros de missões, de jovens, homens e mulheres, trabalhos especiais, comemorações, de aniversários de igrejas, batismos, falecimentos, cerimônias de casamento, bodas de prata, de ouro, etc. Ele tem uma pauta literária própria, apresentando aos seus leitores um material seguro embasado na Palavra de Deus.

Seus artigos, mensagens e estudos bíblicos têm trazido enriquecimento e edificação para o povo de Deus. Jamais seremos capazes de medir a dimensão de satisfação ou alegria de seus leitores ao receberem uma nova edição. Quando recebo a edição do mês, faço questão de ler tudo, principalmente os artigos e mensagens, porque assim fico inteirado do que minha igreja está fazendo. Por isso precisamos urgentemente valorizar muito mais esta literatura que tem sido uma fonte de bênção para todos nós.

Apoio dos pastores e igrejas

Nesta oportunidade, gostaríamos de solicitar o apoio e oração de todos os pastores, lideranças e membros em favor de todos aqueles que trabalham na elaboração deste precioso material. A participação direta e indireta de cada um é muito relevante para que ele continue a circular em nosso meio, como agente de informação e divulgação da Palavra. Seu propósito, que fora estabelecido em 1972, não pode ser interrompido. Precisamos ser verdadeiros colaboradores também na área financeira, e participativos do progresso desta preciosa literatura.

Por isso, esta data constitui-se em uma ótima oportunidade para reafirmarmos nosso compromisso de assinante fiel, bem como conquistarmos outras pessoas para que sejam assinantes. Deixamos um apelo especial a cada pastor e pastor auxiliar que ainda não é assinante para subscrever sua assinatura hoje mesmo e começar a receber o Jornal.

Que Deus abençoe a todos e que estejamos prontos para ajudar no crescimento e expansão da obra do Senhor por meio desse órgão.

……………………

Fonte: Jornal Aleluia 371, de fevereiro de 2012.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *