Matusalém: recordista mundial de longevidade – Fevereiro/2012

No dia 25 de janeiro de 2012,
a IPRB deu adeus a mais um de seus
ícones fundadores, o Pr. José Fernandes
Pedrosa, conhecido por quase todos
como pastor Pedrosa, o Patriarca-mor.
Seu exemplo, sua personalidade e seu jeito
de falar, quando o assunto era a contribuição
das igrejas, permanecerão para sempre em nosso meio.

“E foram todos os dias de Pedrosa
noventa e três anos, e morreu”.

Matusalém foi o personagem bíblico mais longevo, desde a criação do mundo. Se fosse hoje, receberia o prêmio de recordista mundial de vida. Ele viveu todos os juros e correção monetária que a vida lhe ofereceu. Seu nome, em hebraico quer dizer “homem armado” ou homem preparado, o que nos dá a ideia de que ele era uma pessoa disposta e bem preparada para a vida.

Interessante que todos os patriarcas, de Adão a Noé, viveram séculos e mais séculos, no entanto o “homem armado” não foi ultrapassado por nenhum deles. O único que esteve mais próximo foi Noé, seu neto, filho de Lameque, que morreu aos 950 anos, após cumprir o chamado específico do Senhor, na construção da Arca, Gênesis 9: 29.

Diante desta realidade, fica claro que Deus nos criou para uma vida longa. No entanto, todos morreremos um dia, assim como Adão, Matusalém, Noé, Moisés e tantos outros na atualidade. A vida é para ser desfrutada, conquanto que seja a serviço de Deus e orientada pelos princípios bíblicos. Sem ele, nele e para ele, tudo se torna em vão. Com isso, vejamos algumas lições:

Uma vida curta ou longa sem Deus
torna-se inútil diante das riquezas celestiais

O próprio Jesus, que morreu na cruz para garantir a vida eterna à humanidade, afirmou que seus seguidores não devem ajuntar tesouros nesta terra, mas nos céus, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam, Mateus 6: 20.

Por isso, viver muito ou pouco na dimensão terrena, sem nenhum compromisso com Deus, pode custar uma eternidade sem Ele, João 5: 25. Certa feita, falando sobre a responsabilidade daqueles que o seguem, Jesus não se hesitou em dizer: “que aproveita o homem ganhar o mundo inteiro, e perder a sua alma?

Ou que darão ao homem em recompensa a sua alma? Ou seja, toda riqueza nesta terra sem Deus é inútil ou incomparável às riquezas celestiais. Pensar nas coisas que são lá de cima, e não nas que são da terra, foi sempre o grande desafio dos cristãos, Colossenses 3: 2.

Uma vida curta ou longa a serviço de Deus
torna-se valiosa diante dos bens
materiais deste mundo

O que significa uma vida a serviço de Deus? Que recompensas receberão os salvos em Cristo pela folha de serviços prestados a Deus nesta terra? Penso que estas duas perguntas devem inquietar o leitor e levá-lo a uma reflexão.

Digo isto porque vivemos em mundo capitalista em que tudo gira em torno do dinheiro, do lucro e dos bens materiais, onde predominam os mais fortes e poderosos. À igreja compete verdadeiro comprometimento com o Reino de Deus.

Diante disso, afirmar que uma vida curta ou longa a serviço de Deus seria aquela que não está presa ou voltada para os bens e prazeres do mundo. Uma vida comprometida com Deus e não com o homem; uma vida de inteira responsabilidade a favor do “ide” do Senhor Jesus, Mateus 16: 15.

O apóstolo Paulo deixa evidente, em 1 Coríntios 15: 58, que os serviços prestados a Deus nesta terra são valiosos e têm uma recompensa diante de tudo aquilo que o mundo oferece.

Uma vida curta ou longa nesta terra
exige preparo para se encontrar com Deus

Para Deus não importa se o homem vai viver pouco ou muito nesta terra. Se ele possui pouco ou muito dinheiro; se realiza pequenos ou grandes empreendimentos, a ponto de se tornar famoso, como Steve Jobs, Michael Jackson e tantos outros. Não importa a cor, raça, tribo ou nação. Todos provarão a morte, Hebreus 9: 27, e muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão um dia, “… uns para a vida eterna, outros para vergonha e desprezo eterno, Daniel 12: 2.

O que fazer para se encontrar com Deus na eternidade? O preparo para esse momento é necessário. Na parábola do rico insensato e descompromissado com Deus, que possuía muitas empresas, bens e dinheiro, um dia disse: “Alma, tens em depósito muitos bens, para muitos anos, descansa, come, bebe e folga”. Mas Deus lhe disse: “Louco, esta noite te pedirão a tua alma, e o que tens preparado, para quem será?”, Lucas 12: 20.

Deus criou o homem para viver eternamente; viver é uma dádiva divina concedida a todos. Mas o pecado entrou no mundo e com ele a morte, limitando assim a vida do ser humano, Gênesis 2: 16 e 17. Mas, em Jesus, o homem pecador pode readquirir o direito de viver para sempre, pois com ele está a vida eterna: “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu filho”, João 5: 11.

Concluindo, gostaria de fazer uso das palavras do grande evangelista D. L. Moody, ao se referir à convicção na vida eterna:

“Se alguma vez vos disserem que Moody está morto, não o creiais! Apenas que subiu mais acima! Deixou esta velha casa de barro para entrar em uma casa imortal, um corpo que não pode ser afetado pela morte, nem contaminado pelo pecado, um corpo feito à imagem do glorioso corpo do Senhor!”

…………………..

Fonte: Jornal Aleluia de fevereiro de 2012, edição 371, página 5

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *